Brasileiros criam aquecedor solar com lixo eletrônico

Publicado em 13/10/2016

O Projeto Própolis – Polímeros para inclusão social – é uma ação interdisciplinar que visa à busca de inovações e desafios tecnológicos e sociais, trata-se de uma parceria da Instituição Social Ramacrisna com a Una, Uni-BH, UFMG e CDI.

Brasileiros criam aquecedor solar com lixo eletrônico
Foto: Divulgação FEAG Comunicação

Atualmente no mercado os coletores solares são produzidos com cobre, o que encarece o preço final do produto. Através de algumas pesquisas do Laboratório de Polímeros da UFMG, sob a coordenação da professora Maria Elisa Scarpelli, foram realizados diversos estudos para chegar à tecnologia ideal para o reaproveitamento dos resíduos plásticos.

O projeto trata do problema da destinação do material plástico de resíduos eletroeletrônicos que serão utilizados no processo produtivo do produto em Empreendimentos Sociais.

No caso do aquecedor solar com lixo eletrônico ocorre uma importante inversão na cadeia da reciclagem, pois o novo produto agrega valor adicional ao processo, produzindo energia térmica.

Nas residências, por exemplo, possibilitará a substituição de chuveiros elétricos, intensivamente utilizados no país e com participação significativa na geração do pico de demanda de energia elétrica que obriga investimentos continuados na geração, transmissão e distribuição de energia.  

Benefícios ambientais do projeto:

– Inversão na cadeia da reciclagem, porque o novo produto (aquecedor solar) agrega valor adicional ao processo, produzindo energia térmica.

– Benefícios ambientais inerentes à gestão e ao aproveitamento de resíduos.

– Conscientização ambiental do público alvo direto e indireto do projeto.

– Economia de energia elétrica através do uso do coletor solar.

– Reutilização de material de difícil descarte como polímeros.

Benefícios sociais do projeto:

– Qualificação profissional de jovens, geração de emprego e renda e desenvolvimento sustentável (econômico) das famílias nas comunidades beneficiadas

– Redução de custo do produto para o usuário final, decorrente da participação de matéria prima reciclada.

– Em parceria com o Rotary Clube Belo Horizonte Liberdade a Tecnologia Social resultante do Projeto Própolis será replicada em países em desenvolvimento da África e na Ásia.

Fonte: SustentArqui


Categorias: Notícias

Comentários

 

 

Mais Notícias

Página 1 de 90